Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

fado positivo

Porque não estamos condenados a ver sempre o copo meio-vazio, aqui só se destaca o copo meio-cheio

fado positivo

Porque não estamos condenados a ver sempre o copo meio-vazio, aqui só se destaca o copo meio-cheio

INE:

O PIB português, medido pela estimatica rápida do INE, continuou a crescer no 3º trimestre do presente ano. E cresceu a um ritmo maior. Comparando com o semestre anterior houve um aumento de 0,4%. Em comparação como o trimestre homólogo, a taxa de crescimento anual foi de 1,5%, subindo dos 1,4% do trimestre anterior. Este foi o segundo maior crescimento desde o início de 2008.

INENo terceiro trimestre de 2010, as saídas de bens registaram um aumento de 14,6% e as entradas de 4,0%, faceao período homólogo do ano anterior. A taxa de cobertura (...) [melhorou] 6,2p.p. face à taxa registada no período homólogo do ano anterior.

Menos 645,7 milhões de euros de défice na balança comercial, ou seja uma redução de 13% no défice.

A diferença ainda é maior quando pensamos só no comércio com a Zona Euro, exportações sobem 15,1% e as importações descem 2,5%. A taxa de cobertura melhora assim 10pp!

 

INE: O mercado externo aumento em 21,1% as encomendas à indústria portuguesa em Setembro face ao mês homólogo (já em Agosto os números eram semelhantes). Isto ditou um acelaramento nas encomendas industriais para 6,5%.

 

INE: Na Hotelaria, só boas notícias.

No mês de Setembro de 2010 os estabelecimentos hoteleiros registaram 4,3 milhões de dormidas, das quais 32,7% relativas a residentes (1,4 milhões) e 67,3% a não residentes (2,9 milhões). Relativamente ao mês de Setembro de 2009, cada um destes valores de dormidas representa um acréscimo de 7,8%.
Os proveitos totais atingiram 208,2 milhões de euros e os de aposento 145,2 milhões, movimento que se traduz em crescimentos homólogos de 6,6% e 7,8%, respectivamente.


O Reputation Institute mede todos os anos a reputação de um país visto de fora, e de dentro. Para a reputação entram factores como a qualidade de vida no país, as condições sociais, o ambiente de negócios, a qualidade da governação, tecnologia, cultura, etc. No estudo de 2010, foram estudados 39 países. Portugal ficou em 19º na reputação do exterior, ou seja a meio da tabela, logo a seguir à França e à frente de Singapura, Estados Unidos, Israel, Coreia do Sul, etc.

Quando se faz as mesmas perguntas aos nacionais, Portugal afunda-se na tabela, passa a 31º entre 35 países! Não colhe o argumento que os portugueses sabem melhor o estado do país, porque o mesmo se poderia dizer de todos os outros os inquéritos aos nacionais. Os estrangeiros teriam que estar positivamente enganados sobre Portugal, e negativamente enganados sobre os outros países  para que esse argumento fizesse sentido... E isso não faz qualquer sentido. Dito de outro modo, o relatório mostra que em geral os nacionais têm normalmente uma opinião melhor sobre um país que os estrangeiros. Em Portugal isto até acontece, mas por um diferença mínima comparada com o resto dos países.

 

(Encontrado no Público)

Continuando a roubar coisas do Público, extractos de uma entrevista com Nuno Ferrand de Almeida, investigador na Universidade do Porto.

 

Em Portugal, temos a sensação que não sabemos o que nos pode acontecer no dia de amanhã. Há um discurso dominante profundamente derrotista...

Tremendo. Nas elites portuguesas instalou-se um pessimismo tremendo...


Como é que um cientista olha para tudo isto?

Sou optimista por natureza. Ainda sou relativamente novo, mas sei exactamente o que era Portugal há 25 anos, quando entrei para a Universidade do Porto, e o que se fez desde aí. Tinha 11 anos no 25 de Abril, mas sei como era Portugal antes disso. Estávamos fora do mundo.

Assistir em menos de 25 anos à transformação que se viveu em Portugal é um privilégio absolutamente extraordinário. Há 20 anos, eu nunca imaginaria que poderia ter um centro que faz investigação no mundo inteiro e que não fica nada atrás dos melhores centros do mundo e estou a falar de Berkeley, Cambridge ou Oxford. E ainda menos imaginaria - falo pela minha experiência, mas isso é visível em muitos outros centros de investigação em Portugal - que seríamos capazes de atrair tantos estrangeiros. Quase 50 por cento dos 1200 investigadores contratados nos últimos dois anos pelo Programa Ciência são estrangeiros e isto diz alguma coisa.


Nem nos apercebemos disso.

Mas isso é fundamental. O caminho tem de passar pela aposta na ciência e isso tem sido feito de uma forma notável. Nos últimos dez, 15 anos conseguimos chegar ao topo dos países que mais têm investido na ciência...


Mas partimos de uma posição muito recuada.

É verdade, não havia nada, ou havia pouco. Mas quando se fala hoje em 5 ou 6 mil artigos científicos publicados e reconhecidos internacionalmente [por ano], isso representa um avanço extraordinário. É quase um milagre. O número de doutorados... E disso as pessoas falam pouco e é preciso que falem muito mais. É preciso falar muito mais das pessoas que trazem conhecimento para cá e que produzem conhecimento cá.

É por isso que me choca muito o pessimismo constante das elites portuguesas. E isso tem reflexo sobre as pessoas. Esse pessimismo cola-se-nos à pele.


Como é que o explica? Mede-se tudo pelo défice?

Em parte é isso. Não sei. Mas não sei porque nunca se olha para o outro país que existe. Existem dois países. Todos os países têm dois países, mesmo que em Portugal essa diferença seja mais acentuada. Mas há 25 anos não tínhamos dois, tínhamos um, que era mau. Hoje temos um país que se distingue nas ciências, nas artes, na literatura, no desporto.


Mas há aquela sensação de que, quando estamos quase a conseguir o nosso objectivo de sermos "europeus", qualquer coisa nos impede. Historicamente, parece que nunca conseguimos percorrer a última milha. Acha que é isso que desmoraliza as pessoas?

Percebo isso. Mas a mim não me desanima. E digo-lhe já porquê: nunca achei que isso fosse possível numa geração. É preciso mais tempo. Estamos a falar de países como a Inglaterra, a França, a Alemanha, que têm uma tradição de mais de 100 anos de investigação e de produção de conhecimento, de reflexão, que nós não tínhamos. Vivíamos completamente marginalizados dessa Europa. Há 30 anos não havia um paper.

Penso que as nossas elites estão um bocadinho gastas na maneira como olham para o lado antigo do que foi Portugal, quando temos ao lado um país a desenvolver-se muitíssimo e a mostrar que é perfeitamente capaz de ombrear com os mais desenvolvidos. Claro que ainda temos o resto, que ainda pesa. E que alimenta essa espécie de frustração que se transmite nesse discurso e que é má, porque leva facilmente as pessoas a desanimarem, a acomodarem-se... Penso que é a nossa obrigação, e também da comunicação social, dar conta desse outro país. Não quero com isso desculpar algumas lideranças...


Justamente, temos hoje muito mais gente educada, universidades muito melhores, uma massa crítica que deveria ser mais exigente. Como é que se explica, então, a fragilidade das lideranças políticas?

Há aí uma contradição para a qual não tenho resposta. Há uma espécie de alheamento em relação ao serviço público e há uma espécie de dissociação progressiva em relação aos partidos e às pessoas que nos governam, que me assusta um pouco... Não sei responder a essa pergunta, só sei que ela faz parte das interrogações que muitos de nós colocamos.


Mas não há também uma responsabilidade das pessoas? Talvez que o país mereça uma coisa melhor e não se esteja a esforçar-se o suficiente para a ter?

Talvez. São contradições e desequilíbrios que julgo que resultam de transformações muito aceleradas do tecido social português. Este pode ser um momento em que isso seja muito visível.

A página SCImago tem uma enorme base de dados sobre a investigação científica em todo o mundo e todas as áreas, que descobri através do Público.

Nela podemos ver o número de artigos científicos publicados por instituições portuguesas. Este número triplica dos 3655 em 1999 para os 10837 em 2008!

Obviamente que não foi só em Portugal que houve um aumento de produção científica, mas Portugal cresceu mais rápido. De 2007 para 2008 cresce 19%, enquanto a Europa Ocidental cresce apenas 3%, e o mundo 2%.  Enquanto em 1996 Portugal era responsável por apenas de 0,76% da ciência na Europa, em 2008 este número já foi de 2%! Comparando com o mundo inteiro, a mesma conclusão: Portugal duplicou a sua importância a nível mundial em 10 anos.

Fonte Transport&Environment:

A Transport&Environment faz todos os anos um levantamento das emissões de CO2 dos carros comprados nos vários países da UE. No relatório acabado de sair, referente a 2009, Portugal fica em segundo lugar nos carros com emissões mais baixas. Os carros novos de Portugal e França emitem uma média de 134g/100km, enquanto a média é de 145,7 e na Letónia é de 177.

 

Tal como aconteceu em anos passados em que Portugal ficou em primeiro lugar, volta a escrever-se por aí que este excelente prestação se deve ao baixo poder de compra dos portugueses. É pena que quem avance com esta teoria dos desgraçadinhos não explique também o que estará a França, a Itália e a Dinamarca a fazer no TOP5, enquanto a Letónia, a Bulgária e a Estónia estão no fundo da lista.

A ONU publicou hoje um dos dados estatísticos mais importantes, o Índice de Desenvolvimento Humano. Para lá do nível do PIB per capita, esta medida pretende medir o desenvolvimento de cada país, tendo em consideração não só variáveis económicas, mas também sociais como Educação e Saúde.

Entre os 42 países que o relatório considera como tendo um nível de desenvolvimento muito alto, houve apenas 4 países que subiram mais no índice de 2009 para 2010. Se compararmos com 2005 para verificar uma tendência de maior prazo, Portugal volta a ficar em 5º lugar dos mais sobem.

Se o termo de comparação for a UE, então Portugal é (ao lado da Polónia) o país que mais sobe de 2009 para 2010. Nos últimos 5 anos, apenas a Roménia teve uma melhoria melhor.

 

Nota: os media estão a fazer passar a mensagem oposta, por exemplo a RTP diz que "Portugal volta a cair no ranking". Ora, não se pode comparar batatas com feijões: o índice deste ano foi calculado de um modo diferente do que o de 2009. O ano passado mediu-se batatas, e este ano achou-se melhor medir feijões. Para se poder fazer uma comparação, a ONU providencia os valores do índice dos anos anteriores se este tivesse sido calculado do mesmo modo. E é comparando feijões com feijões que eu escrevi o post acima.

 

Adenda: foi a LUSA que fez a comparação errada, e já se retraiu.