20
Dez 12

Há apenas dois países na Europa onde uma licenciatura vale mais que em Portugal

Eurostat:

O Eurostat publicou um relatório sobre a distribuição do salário bruto consoante várias variáveis, sendo uma delas é o grau de ensino. O que é medido é um número de pessoas que têm um salário baixo* em comparação com os salários praticados no resto do país. Em Portugal apenas 1% das pessoas com educação superior têm salários baixos, contra 25,4% de quem ficou pelo ensino básico. Apenas na Bélgica e no Luxemburgo há menos licenciados com salários baixos. Na média europeia (sempre tomando em conta os diferentes salários médios em cada país) são 5,8% os licenciados com salários baixos.

 

 

 

* salário baixo é definido como estando abaixo de 2/3 da mediana nacional.

publicado por Miguel Carvalho às 13:07 | comentar | favorito
10
Set 10

Trabalhadores portugueses recebem a oitava maior fatia da riqueza criada

Segundo o anuário estatístico do Eurostat, tabela aqui, os trabalhadores portugueses são dos que recebem uma fatia maior da riqueza criada no país. Em 2009, receberam directamente 52,1% do PIB em forma de salários. Há apenas sete países na UE, onde os trabalhadores se podem gabar de receber mais. De notar que este valor tem tido uma ligeira tendência de aumento nos últimos anos. Em 2000 (primeiro ano na tabela) era de 49,3%, tendo aumentado mais ou menos desde então.

Comparando com países com economias semelhantes, Portugal fica claramente em primeiro lugar. Espanha, Itália e Grécia têm valores de 49%, 42,9% e 36,2% respectivamente.

publicado por Miguel Carvalho às 15:31 | comentar | favorito
17
Mar 10

Salários portugueses crescem acima da média, outros custos do trabalho abaixo

Segundo o Eurostat os salários (nominais por hora) em Portugal no 4º trimestre de 2009 cresceram 3,1% face ao trimestre homólogo, um valor bem acima da Zona Euro (2,0%) e da UE27 (2,2%). Acrescente-se que isto acontece pelo terceiro trimestre consecutivo.

Por outro lado, os custos não salariais do trabalho (como descontos pagos pelos empregadores) cresceram abaixo da média europeia, 1,9% contra 3,0%.

 

Nota: não é sempre consensual se uma notícia é boa ou má. Neste caso específico, julgo que a grande maioria das pessoas verá aqui uma boa notícia. De qualquer modo, os valores vão certamente contra a opinião catastrofista generalizada, e isso é por si razão para aparecer aqui no blogue.

publicado por Miguel Carvalho às 10:47 | comentar | favorito
tags:
17
Jan 10

Licenciados portugueses ganham mais que os licenciados espanhóis

Ainda a propósito do relatório do Eurostat do post anterior, temos uma comparação entre o salário bruto entre os países europeus consoante o grau de educação em 2006.

Quando comparamos os salários dos trabalhadores com educação superior, vemos que os portugueses não só ficam obviamente à frente de todos os países mais pobres da UE27, como ultrapassam os malteses, os checos, os eslovenos, os gregos e até os espanhóis, ficando assim a meio da tabela de toda a UE27.

Portugal é ainda dos países onde o salário depende mais da educação, sendo assim dos países europeus onde mais compensa estudar. Este facto não se comprova só através da comparançaõ dos salários médios consoante a educação, mas olhando para a probabilidade de se ter um salário baixo (abaixo de 2/3 da mediana). Os licenciados portugueses são os terceiros com menor probabilidade de vir auferir um salário baixo, entre os 27.

publicado por Miguel Carvalho às 11:23 | comentar | ver comentários (9) | favorito
16
Jan 10

Mulheres portuguesas são as terceiras menos discriminadas nos salários

O Eurostat publicou um relatório com vários dados sobre a distribuição dos salários nos países europeus. O unadjusted Gender Pay Gap dá a diferença entre o salário médio por hora entre homens e mulheres.

Embora as mulheres portugueses ganhem menos que os homens, esta diferença é de apenas 8%, o terceiro valor mais baixo na UE, cujo valor médio é 18%. Na Espanha este valor é de 17%.

publicado por Miguel Carvalho às 17:45 | comentar | favorito
15
Dez 09

Salários portugueses crescem bem acima da média

No relatório do Eurostat sobre os custos do trabalho, ficamos a saber que o salário médio por hora em Portugal subiu bem mais que a média europeia no terceiro trimestre de 2009 (face ao anterior). Esta subida foi de 5%, aicma dos 2,9% da média europeia.

Os custos do trabalho não-salariais (impostos, etc.) subiram ao ḿesmo nível que a média, 3,6%.

 

publicado por Miguel Carvalho às 14:06 | comentar | favorito
tags:
13
Ago 09

Maior aumento semestral dos salários em 7 trimestres

Os últimos dados do GEP (referentes ao último semestre do ano anterior) mostram que é necessário recuar 7 semestres para encontrar uma subida real homóloga maior nos salários dos trabalhadores por conta de outrem. Mostram ainda que há 10 semestres consecutivos que os trabalhadores estão a ganhar poder de compra, com ganhos anuais entre os 1% e os 2,4%.

publicado por Miguel Carvalho às 15:52 | comentar | favorito
tags: