09
Nov 16

Mais 59 mil empregos, de um trimestre para o outro

INE:

Segundo o INE, o desemprego em Portugal continua a cair rapidamente. Do 2º para o 3º trimestre a economia portuguesa tem mais 59 mil pessoas empregadas. E isto são números líquidos, ou seja é o número de pessoas que passou a ter emprego, menos as que o perderam. A taxa de desemprego ficou então nos 10,5%, valores que já não eram vistos há 7 anos.

publicado por Miguel Carvalho às 14:25 | comentar | favorito
26
Ago 16

20,2% dos desempregados portugueses encontraram emprego - quarto valor mais alto na UE

Eurostat:

Segundo dados acabados de publicar do Eurostat, Portugal foi o país europeu com a quarta maior percentagem de pessoas a conseguirem sair do desemprego no primeiro trimestre de 2016 (últimos dados disponíveis). 20,2% das pessoas que se encontravam em situação de desemprego no fim de 2015, tinham emprego no fim do 1º trimestre de 2016. Este foi o quarto valor mais alto na UE, onde a média foi de 15,4%, com Grécia a ter apenas 4,3%, Espanha 16,1% e Itália 12,8%.

publicado por Miguel Carvalho às 12:14 | comentar | favorito
22
Fev 16

A probabilidade de um desempregado encontrar emprego é maior em Portugal, do que na média europeia

Eurostat:

O Eurostat começou recentemente a publicar relatórios sobre o estado do desemprego nos vários países da UE, e o último mostra um quadro positivo para os desempregados portugueses. Do 2º para o 3º trimestre de 2015 (os últimos dados disponíveis), 17,9% dos desempregados europeus conseguiram sair do desemprego. Este número foi maior em Portugal, cerca de 19,8%. Ou seja, foi mais fácil sair do desemprego em Portugal do que na média europeia.

Há ainda outro dado positivo; enquanto 16% dos desempregados portugueses, deixaram de ser considerados activos (seja por terem desistido de procurar emprego, seja por já não trabalharem há um logo período), este número foi mais alto na UE28 com 19,4%.

publicado por Miguel Carvalho às 14:43 | comentar | favorito
tags:
05
Nov 14

Mais 50,5 mil pessoas empregadas num trimestre apenas

INE:

Acabam de sair os dados do INE do emprego no 3º trimestre de 2014, e dificilmente poderiam ser melhores. Num trimestre apenas (comparando com o 2º trimestre portanto), há mais 50,5 mil pessoas empregadas, e isto é já descontando quem perdeu o emprego entretanto.
Esta subida causou um trambolhão na taxa de desemprego, de 13,9% para 13,1%, menos 0,8 pontos percentuais em apenas 3 meses. Em comparação com o trimestre homólogo a queda foi de 2,4 pontos percentuais. É assim a 6 queda trimestral consecutiva da taxa de desemprego.

A queda do desemprego foi particularmente forte nos jovens. Na faixa 15-24 há agora menos 12,9% desempregados do que há um ano, e menos 23,1% na faixa 25-34.

publicado por Miguel Carvalho às 12:16 | comentar | favorito
tags: ,
05
Ago 14

Maior criação de emprego desde que há registos

INE e JNegócios:

Desde 1998 que o INE regista o número de empregos em Portugal a nível trimestral - e nunca tinha sido observado um trimestre tão bom como o segundo trimestre deste ano. Face ao trimestre anterior foram criados 87,7 mil empregos em termos líquidos, um valor jamais atingindo. Só num trimestre, a taxa de desemprego caiu 1,2 pontos percentuais.

As boas notícias não se devem assim à emigração ou à saída de pessoas da população activa. Se fosse este o caso poderíamos ver uma descida de desemprego, mas não uma subida nos empregos. Não foi o que aconteceu de todos.

E as boas notícias também não se explicam pela chegada do verão e dos empregos sazonais. É que se compararmos os números com o 2º trimestre do ano passado também temos uma fortíssima queda no desemprego, menos 2,5 pontos percentuais, de 16,4% para 13,9%.

 

publicado por Miguel Carvalho às 15:00 | comentar | favorito
07
Nov 13

Maior descida do desemprego desde 1998

Eurostat:

É preciso recuar ao 2º trimestre de 2006 para encontrar um crescimento do número de empregos maior do que aconteceu no 3º trimestre deste ano: foram mais 48 mil pessoas empregadas. E faço questão de sublinhar o emprego (em vez do desemprego), porque uma descida do desemprego pode esconder pessoas que emigraram ou desistiram de procurar emprego. Não há volta a dar: foi uma notícia excelente que o INE nos trouxe.

Olhando para a taxa de desemprego, as notícias são igualmente boas de várias perspetivas.  É preciso recuar até outro 2º trimestre, mas de 1998, para ver uma descida maior de desemprego num trimestre. Foram menos -0,8 pontos percentuais, de 16,4% para 15,6%, a variação da percentagem de desemprego. Tal descida fez com que a queda do desemprego fosse também a nível homólogo, ou seja comparando com há um ano atrás, o que já não acontecia desde há anos, sinalizando uma clara viragem no mercado de trabalho em Portugal.

 

 

Já ouvi por aí dizer que este resultado se deverá à sazonalidade. Já referi que dois recordes positivos que aconteceram no 2º, e não no 3º trimestre. Olhando por exemplo para 2010 e 2009 vemos que o 3º trimestre foi o pior de todos em termos de emprego, e mais não é preciso dizer.

publicado por Miguel Carvalho às 16:34 | comentar | favorito
tags:
13
Set 13

Apenas a Estónia criou mais emprego

Eurostat:

As estatísticas do desemprego são muitas vezes criticadas por esconderem algum... "desemprego". Isto porque a definição de desempregado é alguém que está à procura de trabalho e não encontra. As pessoas que desistem de procurar, ou as pessoas que emigram, desaparecem do desemprego. Quando mais gente desistir e emigrar, mais o desemprego cai!

Ora este problema não acontece se olharmos para o número de pessoas com emprego, que o Eurostat acaba de publicar. No segundo trimestre de 2013, Portugal foi o segundo país que mais emprego criou, um aumento de 0,8% em relação ao trimestre anterior. O número pode parecer baixo, mas compare-se com a média da Zona Euro, que foi -0,1%, e o caso muda de figura. Apenas  a Estónia conseguiu um valor melhor.

publicado por Miguel Carvalho às 17:38 | comentar | favorito
tags:
07
Ago 13

Mais 72400 empregos em apenas três meses

INE:

Do primeiro para o segundo trimestre de 2013 há mais 72,4 mil pessoas empregadas em Portugal. Isto correspondeu a uma diminuição de 1,3 pontos percentuais na taxa de desemprego, de 17,7% para 16,4%, uma das maiores quedas de sempre num trimestre apenas.

Ao contrário dos dados do Eurostat, os dados do INE não tomam em consideração a sazonalidade, por isso poder-se-ia atribuir este bom resultado ao verão... mas mais uma vez isso explica muito pouco. Basta ver o que aconteceu no 2º trimestre de 2011 e 2012 para percebermos isso. Em 2011 a chegada do verão trouxe um pequeno recuo no desemprego, -0,3pp, enquanto em 2012 até houve um ligeiro aumento, +0,1pp. É com estes números que devemos comparar os -1,3pp acabados de sair. E a conclusão é óbvia, trata-se de um fortíssimo recuo do desemprego.

 

publicado por Miguel Carvalho às 13:06 | comentar | favorito
tags:
13
Dez 10

Famílias portuguesas são das menos afectadas por falta de trabalho

Eurostat:

O Eurostat mede o número de pessoas que pertencem a famílias onde os adultos praticamente não têm emprego*. Na UE 9,0% das pessoas estiveram nesta situação em 2008. O valor português é dos mais baixos a nível dos 27 com apenas 6,3% dos portugueses a viverem em agregados familiares com falta crónica de trabalho.

O percentagem de portugueses abaixo do limiar da pobreza terá aumentado ligeiramente, 0,4p.p. para 18,5%, devido à crise, mas este número continua abaixo de países como Espanha, Itália, Grécia, Reino Unido, etc.

 

 

* Definição do Eurostat: People living in households with very low work intensity are those aged 0-59 who live in households where on averagethe adults (aged 18-59) worked less than 20% of their total work potential during the past year. Students are excluded.

publicado por Miguel Carvalho às 14:39 | comentar | favorito
15
Mar 10

Emprego estabiliza em Portugal, mas cai na UE

Segundo o Eurostat, o emprego (número de pessoas empregadas) continuou a decrescer na União Europeia. Do terceiro para o quatro trimestrede 2009, o emprego caiu 0,3% na UE27.

O mesmo não aconteceu em Portugal, onde houve uma estabilização no número de empregados.

publicado por Miguel Carvalho às 12:03 | comentar | favorito
tags: