Economia nacional é que mais cria emprego há meio ano na Europa

Eurostat:

Tal como muita gente, eu não me farto de insistir que é mais importante olhar para os números do emprego do que dos desemprego.

Confuso? É simples. Uma pessoa que perca o emprego, e que comece a procurar outro depois, aparece em ambas as estatísticas: é menos um empregado, e menos um desempregado.

Mas há casos que não passam de um para o outro. Uma pessoa que perca o emprego e emigre, conta como alguém que perdeu o emprego mas não como alguém desempregado, porque pura e simplesmente deixa de viver no país. Uma pessoa que perdendo o emprego, desiste de procurar outro, também conta como um empregado a menos mas também não conta como desempregado: desempregado é apenas quem procura emprego e não encontra. Assim, uma taxa de desemprego a descer pode não ser grande notícia: pode haver muitas pessoas a desistir de trabalhar, ou a emigrar.

Contudo, o emprego a subir não esconde nada disso. Só soube se realmente houver mais gente a trabalhar.

 

Há um trimestre atrás, tinha havido apenas um país na Europa a conseguir mais pessoas novas do que Portugal. No trimestre que agora o Eurostat reporta, o terceiro de 2013, Portugal tem o record absoluto de criação de emprego. Enquanto a Europa estagnava com 0,0%, Portugal aumentava 1,2%. Ou seja, a boa notícia de Abril a Junho não foi efémera, tendo até havido uma subida ainda mais forte. Portugal é assim há meio ano o país que mais emprego tem criado.

 

E isto nada tem a ver com verão. Bastaria olhar para outros países com muito turismo, como Espanha, Itália, Chipre e Grécia, sendo que nenhum destes país melhora, para perceber isso. Mas é o próprio Eurostat que assegura que os dados estão corrigidos de sazonalidade.

publicado por Miguel Carvalho às 23:06 | comentar | favorito